Beneficios da Ozonioterapia na Fibromialgia

As evidências sugerem que pacientes com Fibromialgia têm níveis aumentados de estresse oxidativo, uma condição caracterizada por um desequilíbrio entre a produção do corpo de radicais livres e sua capacidade de contê-las.
Embora a dor severa generalizada seja considerada o sintoma principal da doença, muitos outros sintomas associados, principalmente sono não restaurador, fadiga crônica, ansiedade e sintomas depressivos, também desempenham um papel relevante no grau de incapacidade característico da doença.
A fibromialgia é uma patologia que exige uma série de cuidados especiais. Neste sentido, a ozonioterapia desempenha um papel determinante, proporcionando avanços significativos em complemento aos tratamentos convencionais.
As opções de tratamento visam aliviar os sintomas da doença e devolver a qualidade de vida dos pacientes.
O amplo histórico de aplicações do ozônio medicinal ao redor do mundo mostra que o tratamento é um excelente aliado também contra a fibromialgia.
Além de aliviar as dores locais, atuando em um músculo ou articulação específica, a ozonioterapia ainda visa minimizar o quadro geral da fibromialgia.
Considerado um analgésico e anti-inflamatório natural, o ozônio é capaz de estimular a circulação sanguínea da área dolorosa, proporcionando maior oxigenação que, por sua vez, alivia a dor e contribui para a recuperação local.
Em contato com o organismo, o ozônio induz um leve estresse oxidativo e estimula as defesas do corpo, o que combate a sensação de cansaço e diminui as possibilidades de novas dores se desenvolverem.
O efeito analgésico imediato e prolongado contribui, ainda, para a diminuição do consumo de remédios com este fim, o que reduz os custos do tratamento e diminui os efeitos colaterais dos remédios.
A aplicação do ozônio medicinal pode ser feita de diversas maneiras, mas os meios mais comuns, neste caso, são as injeções em pontos específicos ou a insuflação retal.
O procedimento é indolor, possui poucas contraindicações e pode ser realizado quantas vezes forem necessárias para a remissão do quadro do paciente.

Pesquisadores na Itália levantaram a hipótese de que a terapia com ozônio poderia ser útil no manejo da fibromialgia, de acordo com a definição do American College of Rheumatology (Arthritis Rheum 1990; 33: 160-172), foram tratados na Clínica MEDE (Sacile, Pordenone, Itália) de fevereiro de 2016 a outubro de 2018. Nesse estudo foram tratados pacientes de ambos os sexos, com idades entre 30 e 72 anos e o tempo do diagnóstico de fibromialgia variou de 0,5 a 33 anos.
Foi usada a ozonioterapia de acordo com os protocolos SIOOT (Sociedade Científica de Oxigenoterapia com Ozônio) duas vezes por semana durante um mês, seguidos de sessões duas vezes por mês como terapia de manutenção.
A dor dos pacientes foi medida em escala variando de zero (sem dor) a 10 (máximo de dor), a fadiga foi medida também em uma escala, mas de 0 a 7.
De todos os pacientes, 80% receberam uma auto-hemotransfusão ozonizada, ou seja, foram infundidos com seu próprio sangue que havia sido previamente exposto a uma mistura de ozônio.
Os outros 20% dos pacientes tiveram insuflação retal.
O estudo concluiu que 70% dos pacientes tiveram melhorias significativas nos sintomas, sem qualquer efeito colateral.
O ozônio medicinal é comprovadamente seguro.
A Ozonioterapia certamente possui propriedades que podem transformar a qualidade de vida de quem mais precisa.
Benefícios:
• Melhora da circulação sanguínea e a oxigenação dos tecidos;
• Controle do excesso de radicais livres no organismo;
• Redução significativa da sensação de fadiga generalizada;
• Melhora do humor e autoestima com aumento da produção de serotonina;
• Diminuição das dores locais e generalizadas.